CANLA

Blog

O emissor mais burro do mundo

Marcio Astrini, Secretário Executivo do Observatório do Clima & Stela Herschmann, Especialista em Política Climática do Observatório do Clima

Desmatamento da Amazônia, que faz o Brasil esquentar o clima sem gerar riqueza, isola o país na COP26

Do ponto de vista da atmosfera, uma tonelada de carbono é uma tonelada de carbono. Venha ela de tanques de combustível, usinas termelétricas ou árvores derrubadas, ela não deve ser emitida. Caso isso seja inevitável, a mesma quantidade de CO2 precisa ser capturada de volta e armazenada em algum lugar seguro.

Do ponto de vista do desenvolvimento das nações, nem todo carbono é igual. Existem emissões que ajudaram os países a desenvolver suas economias, dar trabalho e renda a seus cidadãos e melhorar o bem-estar. E existem emissões perdulárias, que empobrecem, excluem e destroem valor em vez de gerá-lo. O desmatamento da floresta amazônica pertence ao segundo tipo.

Sexto maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, o Brasil tem quase metade de sua poluição climática originada no desmatamento de florestas e savanas tropicais. Em 2019, o país emitiu 2,17 bilhões de toneladas brutas de CO2 equivalente, e 44% disso – 968 milhões de toneladas – saiu apenas da devastação da Amazônia e do Cerrado. Isso eleva as emissões per capita do Brasil acima da média mundial. Os Estados amazônicos, esparsamente povoados, emitem per capita mais CO2 do que países como os Estados Unidos, a Austrália e o Qatar. 

Nos últimos 45 anos, o país arrasou quase 20% do bioma amazônico e colheu nenhum desenvolvimento em troca: o PIB e o IDH da região Norte, que abriga a maior parte da floresta, são os mais baixos do país. Mais de 60% das áreas derrubadas viraram pastos pouco produtivos ou degradados, que comportam menos de um boi por hectare. A destruição concentrou terra, enriqueceu uns poucos e empobreceu os municípios mais desmatados, cuja regra é o colapso após um momento de “boom” causado pela exploração do recurso natural. Trocamos a maior biodiversidade terrestre do planeta por capim. Não bastasse isso, atualmente mais de um terço do desmatamento decorre unicamente da invasão e do roubo de terras públicas.

Diferentemente do que ocorreu nos países industrializados e na China, no Brasil as curvas de PIB e de emissões são descoladas. A maior prova disso se deu no começo do século: entre 2005 e 2012, quando a Amazônia viveu seu primeiro ciclo de queda consistente nas taxas de desmatamento e se tornou um herói climático global, o Brasil também teve seu maior crescimento econômico desde a redemocratização. A produção de carne e de soja cresceram substancialmente, enquanto a destruição da floresta – e as emissões caíam.

Esses tempos infelizmente ficaram para trás. Com a alteração da legislação florestal brasileira, em 2012, as forças políticas e econômicas ligadas ao crime ambiental viram uma janela se abrir para a impunidade. O desmatamento voltou a crescer, até explodir a partir de 2019, sob o regime de Jair Bolsonaro. 

O primeiro presidente declaradamente antiambiental, antiíndigena e negacionista do clima da história do Brasil desmontou regulações e estruturas de combate à ilegalidade nos seus primeiros dois anos de mandato. Agora, com maioria no Parlamento, Bolsonaro parte para o ataque final: a destruição do arcabouço legal ambiental brasileiro, entronizado na Constituição de 1998 e nas leis que seguiram-se a ela. Com a ajuda do presidente da Câmara, Arthur Lira, leis que modificam o licenciamento ambiental e legalizam o roubo de terras foram rapidamente aprovadas e aguardam exame pelo Senado. Ironicamente, esta última foi aprovada no exato momento em que Alok Sharma, presidente da COP26, conversava sobre ambição com representantes da sociedade civil brasileira.

Hoje a Amazônia deixou de ser inspiração para a luta climática e tornou-se fonte de preocupação. Com o descontrole do desmatamento, o Brasil poderá sozinho engolir quase 20% do orçamento de carbono disponível para a humanidade cumprir a meta do Acordo de Paris de estabilizar o aquecimento global em 1,5oC. E Bolsonaro está aí para garantir que nenhum freio sobre o crime organizado que devasta a floresta seja aplicado. Bolsonaro e seu governo nos levam a Glasgow como um perigo climático global e, assim como o mandatário do país, um dos emissores mais estúpidos do mundo.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

La voz de CANLA

Pasos lentos hacia la COP29

Más de 6.000 participantes asisten con una agenda aprobada por todos los países en la plenaria de inauguración de los Órganos Subsidiarios la (SB60). Esta

Leer más »